65 3054 5323 Av. Ten. Coronel Duarte, 1585
Dom Aquino - Cuiabá / MT

Gado Facil

Notícias
Principal atividade econômica do Pantanal, pecuária é solução para mitigar incêndios

Uma das atividades mais antigas da região – remete à época da colonização do Brasil -, a história da pecuária e do Pantanal se confundem e se completam, tamanha a dependência que o bioma Pantanal tem da pecuária, e vice versa.

“O Pantanal precisa mais do boi do que o contrário”, disse o pecuarista e presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Oswaldo Pereira Ribeiro Junior, quando questionado sobre os incêndios que ocorrem no Pantanal e prejudicam a vida de inúmeros produtores que vivem na região e dela dependem para tirar seu sustento.

Na última terça (18), Ribeiro e representantes de diversas entidades se encontraram com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, para entregar em mãos a Carta do Pantanal Mato-grossense. Na ocasião, Salles prometeu ajuda emergencial e, principalmente, mudar o conceito que foi imposto por ONGs de não se deixar manejar o mato seco e alto em março e abril, inclusive com pequenas queimadas controladas.

“O manejo da vegetação do Pantanal é uma prática centenária, aplicada pelos produtores pantaneiros e consiste em pastorear a vegetação nativa com o rebanho e a limpeza através de roçada e queimadas controladas no final do período chuvoso, o chamado fogo frio, pois como a vegetação ainda está verde, a prática é aplicada de forma responsável e tem começo, meio e fim, e se não for feita, a vegetação no período seco vira combustível caso ocorra um incêndio como o que estamos vivenciando”, explica o diretor técnico da Acrimat, Francisco Manzi.

O diretor, que também é pecuarista, esclarece que um incêndio nestas condições se torna não só incontrolável, mas com proporções e destruição avassaladores. “Para a sobrevivência do pecuarista no Pantanal a atividade precisa ser economicamente viável e para que isso aconteça é necessário o manejo das pastagens nativas, a captação de água que servirá aos animais e o controle das plantas invasoras, e essa atividade centenária tem contribuído para o equilíbrio da flora, fauna e de todo o ecossistema do bioma”.

Manzi diz que “a inviabilização da atividade pecuária tem expulsado o homem pantaneiro da região, as plantas invasoras tomaram conta da vegetação, que agora sofre com incêndios incontroláveis gerando prejuízos financeiros e destruição da natureza”.


Pantaneiro vai à frente da boiada
Fatores

Vários fatores têm contribuído para os incêndios que tem tirado o sono dos pantaneiros, e a maior seca dos últimos 50 anos pela qual a região passa, aliada a pouco ou nenhum manejo de controle da vegetação e as altas temperaturas registradas no Centro-Oeste esta época do ano, estão entre as principais.

Em uma luta incansável para reverter está situação, estão os pecuaristas, que se juntam aos brigadistas no combate ao fogo. “Estamos tentando de tudo, com recursos do próprio bolso até”, diz Oswaldo Ribeiro. “É triste ver o que muitos tem passado, perdendo parte do rebanho, maquinários e inclusive suas casas, muitos tem perdido para o fogo quase todo seu patrimônio, e mais triste é ver estes lutadores, que defendem o Pantanal com garra, serem multados e indiciados criminalmente, tendo que justificar que o pecuarista não é o culpado”.

Oswaldo Ribeiro acresce que o trabalho feito pelo pecuarista é responsável e dentro da lei. “Estamos documentando tudo com drones, etc, para ajudar numa possível defesa futuramente”.


Boiada atravessa alagado no Pantanal. Foto: Marcos Bergamasco
Incêndios no Pantanal

Desde o início do mês a região arde em chamas, destruindo a flora, fauna silvestre e pastagens que alimentam um rebanho de 426,4 mil bovinos no pantanal mato-grossense. A pecuária, presente na região desde a colonização do País, é a principal atividade econômica do Pantanal.

Notícias
China libera entrada de carne bovina do Brasil Os embarques para o país asiático estavam suspensos desde o dia 4 de setembro, quando o Brasil identificou e comunicou dois casos atípicos da Encefalopatia Espongiforme Bovina
Boi gordo: frigoríficos começam a armar as estratégias de compra de boiadas após reabertura do mercado chinês Cotações seguem estáveis em SP, segundo apuração da Scot Consultoria; arroba do macho vale R$ 312/@, enquanto a vaca e a novilha prontas para abate são vendidas por 293/@ e R$ 305/@, respectivamente
Com queda do milho, relação de troca boi gordo/grão tem melhora em MT O decréscimo mais intenso nas cotações do milho e do caroço de algodão registrado no comparativo entre os meses de agosto e setembro deste ano possibilitou a melhora da relação de troca entre a arroba de boi gordo e a saca desses produtos em Mato Grosso. De acordo com os dados do boletim do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea
Mercado do boi gordo: compradores ausentes em São Paulo Com o feriado nacional na última terça-feira (12/10) e escalas já programadas para esta semana, o cenário foi de compradores ausentes no mercado na manhã da última segunda-feira (11/10). Com isso, em São Paulo, os preços ficaram estáveis na comparação feita com o levantamento anterior, de sexta-feira (8/10). Segundo levantamento da Scot Consu
Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos de Minas Gerais após embargo de 10 dias As compras haviam sido suspensas no dia 6 de setembro, após a confirmação de um caso atípico do "mal da vaca louca" no Estado
Indústria frigorífica ganha fôlego em MT Em meio às incertezas e ao risco do aumento no desemprego, o Governo de Mato Grosso sinaliza positivamente ao setor produtivo. A indústria frigorífica vem dando sinais de desaquecimento, com o enxugamento de parte das empresas, e elas têm reclamado nos últimos meses da necessidade de um auxílio por parte do governo. Pequenas e médias empresas
Pressão no mercado do boi gordo Em São Paulo, após a queda de R$2,00/@ do boi gordo e R$1,00/@ da novilha gorda no dia 24/8, a maior parte dos frigoríficos mantiveram os preços na última quarta-feira (25/8) na comparação feita dia a dia, com compradores fora do mercado. Embora estável, a pressão de baixa perdura. Segundo levantamento da Scot Consultoria, o boi, vaca e novilh
Imea atualiza amostragem; número de animais confinados chega a 884 mil números do confinamento em Mato Grosso, e com uma mudança na quantidade de informantes – agora são 186 confinadores relatando seus dados ao instituto -, houve um aumento significativo no número final de animais confinados: 884,8 mil cabeças de gado em confinamento, número 5,65% superior à estimativa de abril. Com a divulgação do segundo levantam
Frigoríficos com escalas de abate confortáveis em São Paulo As cotações ficaram estáveis na comparação feita dia a dia para todas as categorias em São Paulo, visto que boa parte dos frigoríficos estão com escalas de abates alongadas e, com isso, ficaram fora das compras na manhã de quarta-feira (18/8). No Sudeste de Rondônia houve estabilidade no preço do boi gordo, no entanto a cotação de vacas e novi
Como os confinamentos estão transformando bovinos em “atletas de alta performance”? Em entrevista ao Giro do Boi desta terça, 27, o engenheiro agrônomo Felipe Bortolotto, consultor técnico nacional de bovinos de corte da Cargill, compartilhou os resultados do 5º Benchmarking de Confinamento da companhia e explicou como os confinamentos estão aproveitando o ritmo de olimpíadas para transformar os bovinos, tanto machos como até as f
agência dream